segunda-feira, junho 27, 2022
Início.ArtigoA Psicoterapia no Diabetes

A Psicoterapia no Diabetes

O endocrinologista é o médico recomendado para tratar do diabetes. Se o paciente diabético estiver com retinopatia, deve se consultar com o oftalmologista, se tem neuropatia melhor buscar ajuda com um neurologista, mas todos, preferencialmente, com experiência no tratamento de pessoas com diabetes. Você também pode se cuidar com um clínico geral, mas o resultado será imprevisível para qualquer dos casos acima.

Assim como os médicos que atuam conforme os problemas de nosso organismo, os psicólogos se especializam em determinados problemas de seus pacientes. Porém em vez de especialidade, eles atuam de acordo com as abordagens escolhidas em seus cursos de formação, que são inúmeras. Algumas ótimas coadjuvantes do bom tratamento do diabetes.

Como sabemos, o diabetes nos acompanha o dia todo por todos os dias da semana. Não dá trégua, férias e nem descanso. O desgaste mental de quem vive com esta condição é substancial e vale tanto para quem tem o diabetes tipo 1 quanto o diabetes do tipo 2.

Resultados ruins de exames, sequências nada favoráveis de glicemias, hipoglicemias severas, aplicações de insulina, controle de calorias, alto custo do tratamento e, principalmente, consultas com médicos que não entendem a dificuldade de se viver com diabetes, em conjunto ou isoladamente, impactam consideravelmente nosso aparelho psíquico.

Os eventos acima, são apenas uma parte do rol de fatores que degradam o humor não só do diabético como de seus parentes. Tudo contribui para uma redução da qualidade de vida e nesta hora, ou antes mesmo de chegar neste ponto, é aconselhável buscar ajuda de um profissional de Psicologia.

Fazer psicoterapia possibilita solucionar conflitos internos, promover o autoconhecimento e melhorar a saúde mental. É nela que o indivíduo enxerga a si mesmo e pensa nas razões que o levam a ter determinados pensamentos ou a tomar atitudes nada desejáveis em relação à sua vida ou aos cuidados de seu diabetes.

Dentre os diversos tipos de abordagens, destacamos para o diabetes a Terapia Cognitivo Comportamental – TCC – que é focada no problema que o paciente busca resolver num tempo mais curto de tratamento do que o tempo gasto habitualmente em outras terapias convencionais.

O objetivo da TCC é mostrar que a interpretação muitas vezes equivocada que damos aos fatos ocorridos em nosso cotidiano exercem influência negativa sobre nós. Durante o processo terapêutico, o psicólogo ou psicóloga irá ajudar o paciente a distinguir cada um desses pensamentos, para elaborá-los e entendê-los com clareza. A partir de então, se necessário, modificá-los.

Além de psicólogos adeptos da TCC, existem profissionais que fazem uso de outras abordagens. Dentre muitas, podemos citar a Psicologia Analítica de Jung, o Humanismo, a Psicanálise de Freud ou de Lacan, a Gestalt e a Psicoterapia Corporal.

A terapia usualmente proporciona um bem-estar psicológico que, por sua vez, acarreta de forma indireta, uma melhora no tratamento do diabetes. É questão de causa e efeito. Se a cabeça está boa, tudo se resolve ou no mínimo nos tornamos mais otimistas e nos sentimos melhor. Os bons resultados são consequências.

 

 

Raquel Limonge – Diabética do tipo 1 desde 1983. Ela é editora do TiaBeth.com.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS POPULARES